Como interpretar uma carta de pressão e ventos

Por Plínio Fasolo
 

    Sobre uma carta da região sul do Brasil estão desenhadas linhas que representam a união de pontos de mesma pressão atmosférica (isobáricas). 
    Ao longo de cada linha existe o valor da pressão dado em milibares. A pressão normal da atmosfera vale 1013 mb. 
    As flechas espalhadas pela carta indicam a direção e, pelo tamanho, dão uma idéia da intensidade do vento. 
    Zonas coloridas também ajudam a informar a intensidade dos ventos. A barra de cores existente abaixo da carta esclarece os valores da velocidade do vento que corresponde a cada cor. 
    Sobre as linhas verdes que limitam as zonas coloridas ainda existem números que indicam (em metros por segundo) a velocidade dos ventos. 

    Um local de pressão mais baixa (núcleo de baixa pressão) recebe o nome de "ciclone". O nome, que significa vento em rotação, foi escolhido justamente porque a pressão mais baixa atrai o ar que está sendo expulso das zonas onde a pressão é maior. 
    A atmosfera do hemisfério sul da Terra, possui naturalmente o movimento de rotação da Terra que , girando para o leste, comunica uma rotação na atmosfera no sentido do movimento dos ponteiros dos relógios. 
    Quando os fluidos (líquidos e gases) se aglutinam, o movimento de rotação se acelera. 
    Como ocorre com a bailarina que, num rodopio, traz os braços e as pernas para junto do corpo e assim aumenta a sua velocidade de rotação, os ventos são acelerados pela migração ao núcleo de baixa pressão. A rotação no sentido horário se agrava. Na foto do satélite pode-se perceber um ciclone localizado sobre o oceano e a imensa quantidade de nuvens densas sugadas para o seu núcleo.
    O mesmo acontece quando a água se esgota pelo buraco no centro de uma pia. A saída da água através do buraco causa uma diminuição da pressão naquele ponto que suga a água para o centro da pia. O movimento de rotação (devido à rotação da Terra) que de início era imperceptível, aparece intensificado sob a forma de um redemoinho. 
    Na carta de pressão e ventos que ilustra esta matéria pode-se perceber o ciclone de 996 mb localizado no mar a sudeste da costa do Rio Grande do Sul e a rotação horária que ele provoca. 
    Ao mesmo tempo pode-se observar um anticiclone (núcleo de alta pressão) de 1018 mb localizado a noroeste do Rio Grande do Sul, sobre o sul do Paraguai. 
    Um anticiclone expulsa o ar atmosférico para as zonas de baixa pressão diminuindo o movimento de rotação e portanto a intensidade dos ventos na região. 
    Um bom indicador sobre a intensidade dos ventos é dado pela proximidade entre as isobáricas (as linhas de mesma pressão). Quanto mais próximas (uma da outra), mais intensos são os ventos. 
    Essas cartas de pressão e ventos são muito úteis para os navegadores. Elas podem ser encontradas, sempre atualizadas, junto a outros "produtos meteorológicos" oferecidos pelo "Centro Integrado de Meteorologia e Recursos Hídricos de Santa Catarina" - CLIMERH, através do "site": http://www.climerh.rct-sc.br