Saudação ao Irmão Norberto Rauch, reitor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, por ocasião do jantar comemorativo de seus 75 anos de vida e 25 anos de exercício da Reitoria, proferida pelo professor Plínio Fasolo em 12 de maio de 2004.

 

 

 

Prezado Irmão Norberto.

            Colegas da grande família PUCRS.

 

            Provavelmente poucos hoje conhecem a sigla PSSC. Alguns físicos mais antigos, talvez!

            Guerra fria, sim. É uma expressão que faz parte de uma história recente. No entanto são coisas da mesma época.

            O Irmão Norberto sabe a que estou me referindo.

 Para esclarecer aos outros, conto que PSSC é a sigla de identificação de um projeto de ensino de Física que se constituiu no mais revolucionário e eficiente curso já concebido para ensinar Física básica.

             Por ter feito tal curso em apenas 240 horas, durante as férias de 1963-64, fui contratado pela Universidade de Brasília. 

            Também por conhecer o PSSC e tê-lo experimentado na UnB, fui contratado por esta Universidade, chamado pelo Irmão Norberto, em março de 66, para trabalhar nas atividades de laboratório do Instituto de Física, em companhia do Professor Délcio Basso  e com a supervisão do diretor de então , o Irmão Norberto.

            Não estou me reportando a esses fatos para situar como e quando conheci o Irmão Norberto, mas para salientar uma característica da sua personalidade jamais abandonada: a sua visão ousada de buscar as experiências mais recentes, até mesmo pioneiras, sempre com a preocupação de manter a PUCRS atualizada e produtiva, desta forma garantindo, não apenas o sucesso desta Universidade, mas também, o mais importante, a sua respeitabilidade e o reconhecimento das comunidades acadêmicas mundiais.

            Pode ser apenas impressão minha, mas, coincidentemente, mais privei da sua companhia sempre que participei de projetos inovadores.

             Vou citar apenas mais alguns: as implantações das inúmeras modalidades das Licenciaturas em Ciências, da Faculdade de Ciências Aeronáutica, do Museu de Ciências e Tecnologia e, mais recentemente, da elaboração do Planejamento Estratégico desta Universidade.

            Nesses tive a honra de participar com ele no mesmo grupo de trabalho, mas as demais realizações por ele lideradas, se aqui fossem citadas, certamente iriam estender este a ponto de descumprir o pedido do Irmão Clotet quanto a não exceder 5 ou 6 minutos e, me caçariam a voz.             Portanto opto por referir experiências pessoais que me encheram de orgulho por testemunhá-las tão de perto.

            Caro Irmão Norberto! Existem pessoas importantes em nossas vidas pelo que elas significam em termos de proximidade, interatividade e  laços biológicos: são nossos familiares.

            Existem pessoas importantes em nossas vidas pelo que elas representam em termos de construtores do nosso conhecimento e das nossas habilidades comportamentais: são nossos professores... E existem os nosso vultos, aqueles a quem admiramos e, talvez nos espelhamos em suas vidas e que, mesmo não sendo tão próximos, exercem uma influência indelével, quase mística sobre quem somos e o que fazemos.

            Independente de laços afetivos construídos ao longo de tantos anos de convivência nesta grande e maravilhosa universidade, o senhor é o meu e, tenho certeza, da grande maioria de meus colegas, o grande vulto de nossas vidas.             Que os desígnios de Deus nos mantenham ainda por muito tempo usufruído da sua convivência e liderança.   Foram tais desígnios que me concederam as honrarias de pertencer a este quadro de colaboradores e de estar aqui, agora, sendo o porta-voz desse grupo que, sinceramente lhe diz: _ amigo reitor,

feliz aniversário.

 

 

 

 

Voltar para o mural